esqueci minha senha / primeiro acesso

notícias

10/05/2017

Com inflação de 3,99%, patrões insistem em rebaixar a reposição

Com inflação de 3,99%, patrões insistem em rebaixar a reposição
Foto: Flávio Augusto Laginski
O descaso patronal com a categoria continua. Em uma mesa de negociação realizada ontem (9) na sede Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná (SindijorPR), a “oferta” dos empresários da comunicação para reposição salarial foi de 70% do valor da inflação, a ser pago apenas em setembro. Aliado a esse desrespeito, a mesa aconteceu em meio a demissões de jornalistas no interior do estado. Nove profissionais foram desligados da RPC.


Para entender melhor este valor, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) do período, maio de 2016 até abril de 2017, base para o reajuste dos jornalistas, fechou em 3,99%. Pela proposta das empresas significa uma reposição de apenas R$ 90, ou seja, 2,79% do total.


Além de não avançar de forma significativa no índice total, os patrões aceitaram mudanças na cláusula da licença maternidade, retirando a estabilidade após este período. Sem mais reivindicações atendidas, os sindicatos patronais negaram a possibilidade de pagar as perdas do ano passado com o retroativo.


Após a mesa de negociação, jornalistas se reuniram em assembleia para avaliar a Campanha Salarial de 2017. Depois de todas as discussões, a categoria reforçou a necessidade de garantir valorização e respeito dos profissionais, que entendem que 70% de um índice pequeno é retrocesso. A proposta foi rechaçada e convocadas mobilizações até o dia 25, quando nova reunião entre sindicatos acontece em Curitiba.


O diretor-presidente do SindijorPR, Gustavo Vidal, lamenta mais uma vez o descaso patronal com jornalistas. “Mesmo com uma inflação baixa, a oferta deste percentual, que sequer chega a R$ 100, chega a ser ofensivo. Como se isso não bastasse, querem pagar este valor em setembro. Por isso a importância de os jornalistas se mobilizarem. Se não nos unirmos, as negociações tendem a piorar”, explica.
Autor:Flávio Augusto Laginski Fonte:SindijorPR